Vargengrandenses ajudam garotinho com AME

0
469
Para colaborar, as unidades Paulista e Mais Saúde da Drogaria Total estão comercializando copos para arrecadar verbas para a família

Duas farmácias de Vargem Grande do Sul estão realizando uma ação para auxiliar um garotinho de Sertãozinho diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal (AME). Arthur Marcolino Schiavoni, de 3 anos, deve se submeter a um tratamento caríssimo, com um medicamento que custa 125 mil dólares a dose. Além disso, sua família tem um gasto mensal de R$ 8 mil só com seus cuidados.

Para ajudar a família, as unidades da Drogaria Total Paulista, no Jardim Paulista, e Drogaria Total Mais Saúde, na Praça da Bíblia, estão vendendo copos que terão suas rendas revertidas à campanha. De acordo com João Paulo dos Santos, da unidade Paulista, a ideia de colaborar com a família surgiu durante uma feira da Drogaria Total, onde a mãe do garotinho, Tatiane Marcolino Herrera falou ao público e expôs a situação da família. “A gente pensa em nossos filhos, sensibilizou muito a todos. Assim, pensamos em uma maneira de contribuir”, disse. A renda obtida com a venda dos copos será destinada à família. Além disso, qualquer pessoa também pode fazer uma doação, depositando sua contribuição em uma das contas em nome de Arthur Marcolino Schiavoni, CPF: 507.752.828-47. Pode ser no Banco do Brasil, banco 001, agência 0987-3, conta poupança 64817-5, operação 51 ou na Caixa Econômica Federal, banco 104, agência 2993, conta poupança 15815-9, operação 013.

Arthur

Arthur nasceu no dia 15 de outubro de 2014, em Sertãozinho. Aos nove meses, seus pais, Tatiane e Marcus Vinícius notaram que ele não conseguia mais manter-se em pé. Procuraram os médicos que realizaram exames de sangue e eletroneuromiografia, sendo possível detectar a presença de uma desnervação, a qual o fazia não responder a alguns estímulos. Os resultados dos exames foram levados ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, onde foi solicitado exame de DNA.

No dia 25 de janeiro de 2016, os pais de Arthur tiveram o diagnóstico de que ele era portador de Atrofia Muscular Espinhal (AME) e que nada poderia ser feito pois tratava-se de uma doença progressiva, cuja expectativa de vida era limitada aos dois anos.

Inconformados, passaram a pesquisar e fazer parte de grupos de discussão sobre a doença. No dia 23 de dezembro de 2016 receberam a informação que o medicamento Spinraza havia sido aprovado para o tratamento de AME, porém com cada dose custando 125 mil dólares.  Os pais deram continuidade à campanha de arrecadação de verba para Arthur, para que o filho possa tomar as quatro doses que precisa da medicação. Mais informações pelo www.facebook.com/ameoarthur

Foto: Arquivo Pessoal

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui