Casos de sífilis aumentam na cidade

0
2360
Casos de sífilis aumentam na cidade. Foto: Reprodução Internet

Os casos de sífilis em Vargem Grande do Sul aumentaram e preocupam a prefeitura. No ano de 2016 foram diagnosticados três casos em gestantes e apenas 1 caso em adultos, já em 2017, foram três casos em gestantes e 26 em adultos. No Brasil, os números vêm aumentando desde 2010. Segundo dados do Boletim Epidemiológico de 2017 do Ministério da Saúde, entre 2015 e 2016, a sífilis adquirida teve um aumento de 27,9%; a sífilis em gestantes de 14,7% e a congênita de 4,7% em todo o país.
Em 2016, foram registrados no país 87.593 casos de sífilis adquirida, com taxa de detecção de 42,5 casos por 100 mil habitantes. Em gestantes, foram registrados 37.436 casos com uma taxa de detecção de 12,4 por 1.000 nascidos vivos.
O Ministério da Saúde lançou uma nova campanha com o objetivo de alertar sobre a importância do diagnóstico e para incentivar que grávidas e seus parceiros sexuais façam o teste, pois com o tratamento adequado, é possível diminuir a mortalidade em bebês.
Haverá também a compra de 2,5 milhões de penicilina benzatina que é usada para o tratamento da sífilis adquirida e em gestantes. Para o tratamento da sífilis em bebês serão compradas 450 mil ampolas da penicilina cristalina, sendo que 100 cidades do país terão prioridade por concentrarem 60% dos casos de sífilis de todo o território nacional. Essa compra garantirá estoque da rede pública até 2019.

Cidade

De acordo com o Departamento Municipal de Saúde, todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) possuem folders e cartazes explicando sobre os testes rápidos para o diagnóstico de sífilis. Para a realização do exame, basta o paciente solicitar. As gestantes que iniciam o pré-natal já são submetidas ao teste rápido e ao exame de sangue.
Para o tratamento da sífilis são distribuídos medicamentos gratuitamente nos postos de saúde, mas a penicilina é distribuída somente para gestantes. Aos demais pacientes é distribuído outro antibiótico.
O Departamento de Saúde também informou em entrevista à Gazeta de Vargem Grande que será realizado entre os dias 30 de novembro e primeiro de dezembro a campanha Fique Sabendo, que será um evento para a realização de testes rápidos de Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e sífilis. Neste mesmo evento haverá a orientação sobre as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST).

O que é a sífilis

A sífilis faz parte das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e é causada pela bactéria Treponema pallidum. A sua transmissão se dá por meio de relações sexuais (vaginal, anal e oral) desprotegidas com uma pessoa infectada ou sangue infectado. Diferente de outras ISTs, o paciente pode obter a cura. Caso uma mulher tenha sido infectada e esteja numa gestação, o bebê pode ser infectado (sífilis congênita) tanto durante a gestação, quanto no parto. Segundo o Ministério da Saúde, essa IST tem diferentes estágios, sendo eles sífilis primária, secundária, latente e terciária.
Os principais sintomas da sífilis primária são úlcera, geralmente única, no local de entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca ou outros locais). Geralmente não dói, não coça, não arde e não tem pus. Podem surgir ínguas na virilha. Aparece em média, 21 dias após o contágio. Pode durar entre 2 e 6 semanas e desaparecer de forma espontânea, independentemente de tratamento;
Os da secundária são manchas no corpo, principalmente na palma das mãos e planta dos pés, sendo, muitas vezes, confundidas com alergia ou outras doenças semelhantes. Surgem entre 6 semanas e 6 meses após aparecimento da úlcera inicial. Desaparecem de forma espontânea em poucas semanas, independentemente de tratamento, mesmo a pessoa ainda tendo a infecção.
Já nos casos da sífilis latente não aparecem sinais ou sintomas, sendo o diagnóstico realizado por testes imunológicos. Apesar de assintomática, pode ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária. A existência de histórico de relação sexual desprotegida e a alta suspeita do profissional de saúde são fundamentais para que ocorra o diagnóstico nesse estágio.
Os sintomas da terciária são lesões cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas, podendo levar à morte. Pode surgir décadas após o início da infecção. A sífilis congênita, que é a doença que pode ser transmitida para a criança durante a gestação ou parto (transmissão vertical) pode ou não ser aparente. Os casos aparentes são os mais graves, onde há as sequelas permanentes ou quando ocorre o abortamento e óbito fetal. Caso a gestante receba o tratamento adequado e precoce durante a gestação, o risco de sequelas à criança são mínimos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui