Presépios, uma tradição cristã

0
2240
Família de Alberto Rosalin. Foto: Reportagem

Uma tradição natalina na casa de muitas pessoas e também nas igrejas é a montagem do presépio. Muitas famílias vargengrandenses também mantém o costume de se reunir nos dias que antecedem o Natal para escolher as melhores peças e montar a representação do nascimento do menino Jesus, na manjedoura em Belém.
De acordo com a página da Canção Nova na Internet, o presépio deve ser montado no 1º domingo do Advento e desmontado no dia 6 de janeiro, data em que a Igreja celebra a Solenidade da Epifania do Senhor. O termo vem do latim Praesaepe, que significa estrebaria ou curral. A presença do Menino Jesus no estábulo demonstra a grandeza de Deus representada na fragilidade de uma criança.
São Francisco de Assis montou o primeiro presépio em 1223, em uma gruta, na Itália. Na época, a Igreja não permitia a realização de representações litúrgicas nas paróquias, mas São Francisco pediu a dispensa da proibição, para relembrar ao povo a natividade de Jesus Cristo.
A tradição de montar os presépios dentro de casa se popularizou no século XVIII pela Europa e logo após, em outras regiões do mundo. No Brasil, a cena do presépio foi apresentada pela primeira vez aos índios e colonos portugueses em 1552, por iniciativa do padre José de Anchieta.

Peças

Os presépios contam a história do momento do nascimento de Jesus Cristo e ele é composto pelas seguintes peças: Menino Jesus, o filho de Deus e salvador; a Virgem Maria, mãe de Jesus; José, o pai de Jesus; a manjedoura com palhas em um curral; burro, boi ou ovelhas, os animais do curral que representam a simplicidade do local onde Jesus nasceu; os anjos, responsáveis por anunciar o nascimento de Jesus; a Estrela de Belém, que auxiliou os reis Magos; os pastores, que representam a simplicidade das pessoas do local; e os Reis Magos, Belquior, Baltazar e Gaspar.

Família de Alberto Rosalin

Uma das tradições da família de Alberto Rosalin, 76 anos, e sua esposa, Lourdes, 75 anos, é a montagem do presépio na casa localizada à Rua Ricardo Zonta, 303, no Jardim São Joaquim. Feito com muito carinho, o presépio reúne mais de duas centenas de peças e atrai visitantes da cidade toda.
Neste ano, o casal levou uma semana para terminar o presépio e contou com a ajuda das filhas e uma netinha. Para este Natal, o casal também diminuiu um pouco o presépio, para facilitar a observação dos visitantes.
Alberto contou que aprendeu a montar presépios ainda na infância, quando morava na roça. Ele ajudava uma senhora que gostava de fazer a encenação do nascimento de Jesus e sua parte era confeccionar os animais em barro.
O presépio do senhor Alberto e da dona Lourdes conta com a tradicional manjedoura, a Sagrada Família, o pastor e os três reia magos, além dos animais e da Estrela. Mas também tem ao seu lado uma pequena vila, com a igreja com um padre tocando o sino, casinhas e a fazendinha.
Nesta ano, uma das novidades é que o interior da igreja está iluminado, contando com uma imagem de Nossa Senhora e banquinhos feitos em madeira. Além disso, há um monjolo, uma roda d’água, uma fonte, carrinhos de boi, lago com carpas, freiras cantoras, várias peças que contam sua história. Até o início da semana, 80 pessoas já haviam visitado o presépio da família. No ano passado, foram 265.

Paróquias e seus presépios

Em Vargem Grande do Sul, Igrejas das paróquias da cidade mantém viva a tradição de montar presépios.

Sant’Ana

Na Igreja Matriz de Sant’Ana, o presépio foi montado por dona Sílvia Regina Indrigo de Andrade e Salomão Aparecido Gonçalves de Oliveira. Em conversa com eles, Salomão informou à Gazeta que ajuda na montagem do presépio desde o final do ano de 2012 e começou na época a pedido do padre Richard. Salomão ainda comentou que pretende continuar ajudando nessa tradição e lembrou que o presépio que está exposto na igreja ensina o tempo do advento, representando cada tempo do calendário litúrgico.
Sílvia relatou que ela e Salomão levaram cerca de três dias para separar as peças e montar o presépio, e que há três anos ela ajuda na montagem. Ela comentou que adora ajudar na preparação do presépio pois trabalha com restauração de imagens e pintura.

Sant’Ana. Foto: Reportagem

São Joaquim

Na Igreja Matriz de São Joaquim o presépio foi montado por Marcilene, Claudinei Lopes do Carmo e Carlos César de Aquino. Para este ano, eles pensaram em fazer algo bem rústico na montagem do presépio, utilizando madeira que pegaram em cerâmicas da cidade, palhas simbolizando o feno, uma grande manjedoura simbolizando os corações, para que eles sejam como uma verdadeira manjedoura acolhendo o menino Jesus que nasce todos os dias. Ao lado do presépio foi colocada uma árvore de Natal para simbolizar a árvore da vida, e todas as imagens que o compõem foram colocadas em cima de tocos de madeira, mostrando a simplicidade que Jesus e sua família tinham na época. De acordo com ele, com o presépio, conseguem mostrar o valor e a união da família.

São Joaquim. Foto: Reportagem

Santo Antônio

O presépio da Igreja Matriz de Santo Antônio foi montado pelos catequistas da paróquia Sirlei, Marcelo, Claudete e Terezinha em conjunto com os acólitos. No total, dez pessoas participaram da montagem que durou pouco mais de 5 horas para ficar pronta. Desde 2016, os acólitos e catequistas assumiram a montagem do presépio da igreja e começaram a fazer parte da equipe de ornamentação do local.

Santo Antônio. Foto: Reportagem

Nossa Senhora Aparecida

Na igreja Nossa Senhora Aparecida o presépio este ano foi montado em cerca de oito horas por Dalva, Neusa e Sônia. Na montagem elas utilizaram grama sintética, fizeram um caminho de areia com pedrinhas ao lado e também utilizaram cactos na decoração. Usaram a criatividade para fazer um lindo presépio para enfeitar a igreja nessa época natalina.

Nossa Senhora Aparecida. Foto: Reportagem

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui