Hexacampeonato só em 2022

0
512
Com gol contra de Fernandinho, Bélgica abriu o placar aos 12 minutos. Foto: Cidade On

Lígia Ligabue

Neymar não brilhou, Philippe Coutinho fez uma de suas atuações mais discretas e Fernandinho, que entrou no lugar de Casemiro, jogou mal. Nem Gabriel Jesus, nem Wilian, nem Roberto Firmino mostraram seus lances de genialidade. Na partida melancólica desta sexta-feira, o Brasil saiu atrás no marcador, arriscou muito, errou uma quantidade absurda de passes e não produziu nada. A seleção de Tite vai embora mais cedo, eliminada nas quartas de final da Copa do Mundo de 2018.

O Brasil começou bem a partida. Logo no início, Tiago Silva carimbou a trave, para minutos depois, no contragolpe ceder um escanteio que culminou com o gol contra de Fernandinho. A seleção brasileira sentiu o golpe, perdeu o equilíbrio psicológico e se desarticulou.

Suspenso, Casemiro fez muita falta. Sem ele, a seleção perdeu segurança e deixou vazios enormes na intermediária. A Bélgica, que tem um time excelente, se aproveitou e ampliou. Lukaku, um camisa 9 daqueles, enfiou a bola para De Bruyne, que mandou um belo chute. O goleiro Alisson não podia fazer nada. Dois a zero no primeiro tempo.

Na segunda etapa, Roberto Firmino entrou no lugar de Wilian, que estava completamente isolado na lateral. O jogo melhorou para a seleção. Gabriel Jesus fez uma jogada linda, parada com falta dentro da área por Kompany. Mas mesmo após consultar o árbitro de vídeo, a arbitragem mandou o jogo seguir.

Gabriel Jesus deu lugar a Douglas Costa e logo na sequência, Renato Augusto entrou. O ex-Corinthians animou a partida e fez às vezes a função de Paulinho, como o homem-surpresa. Num lançamento de Coutinho, foi ele quem subiu sozinho para marcar o gol do Brasil aos 30 minutos.

O Brasil atacou, mas o goleiro Courtois é muito bom. Nos minutos finais pegou um chute de Coutinho que poderia ter mudado tudo. Porém, quem segue no torneio e pode sim fazer história é a Bélgica, que na próxima terça-feira vai enfrentar a França na semifinal.

Agora, o Brasil volta para casa para fazer seu exame de consciência. Mais uma vez, Neymar não brilhou. Machucado, Daniel Alves fez muita falta nessa seleção. O técnico Tite não foi feliz em manter Fernandinho até o final da partida. Enfim, o trabalho recomeça com a análise do que deu errado, do que poderia ter sido mudado e o que deve ser mantido. Cabe a nós, torcedores esperar 2022, para quem sabe na Copa do Qatar, finalmente conquistarmos o hexacampeonato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui