Em entrevista à Gazeta, Felipe falou sobre seus projetos para 2019

0
685
Em entrevista à Gazeta, Felipe falou sobre seus projetos para 2019
Em entrevista à Gazeta, Felipe falou
sobre seus projetos para 2019

Gazeta: Essa é a segunda vez que assume a mesa Diretora. Na sua primeira passagem, entre 2015 e 2016, havia muita instabilidade política na cidade. A Câmara mesmo passou por duas comissões processantes. Como você vê o período e como você avalia a sua atuação como presidente da Câmara? E o que prevê para esta nova oportunidade em 2019?

Felipe: Tendo conhecimento que na Câmara Municipal existem outros vereadores de extrema competência que poderiam dirigir a Câmara Municipal com extrema competência e sabendo das minhas limitações eu agradeço, a Deus em primeiro lugar e, em especial a meus pares que confiando a minha pessoa a nobre função da Presidência da Câmara Municipal de Vargem Grande do Sul, resolveram me reconduzir a Presidência da Edilidade para o ano de 2019. Pretendo atuar, como sempre atuei, dentro da legalidade, respeitando o direito de todos os vereadores, atuando dentro dos limites do contraditório e dando a cada um oportunidade de manifestar suas ideias na Casa das Leis.

Gazeta: O que acredita que serão os principais desafios da Câmara para 2019?

Felipe: Os principais desafios da Câmara Municipal, dos Vereadores e do Executivo Municipal é tentar levar Vargem Grande do Sul, dentro de um esforço em comum, a melhorar a situação econômica e social da população da cidade. Devemos buscar um desenvolvimento que possa possibilitar o aumento de empregos e oportunidades ao povo vargengrandense e, ainda, buscar soluções para melhorar o setor de saúde e educação do Município, tudo isso, em parceria com o Executivo Municipal.

Gazeta: Em 2016, na presidência de Wilsinho Fermoselli e neste ano, com o Fernando Corretor, o prefeito Amarildo solicitou a mesa Diretora o adiantamento da devolução do duodécimo, para auxiliar a prefeitura. No primeiro ano, essa devolução contribuiu para a usina e tanque de asfalto para colaborar na manutenção do asfalto. Neste ano, os recursos foram usados para atender demandas na saúde, como exames e cirurgias eletivas. Caso solicitado, a Câmara em sua presidência voltará a adiantar o duodécimo para o Executivo?

Felipe: Em caso de pedido do Executivo Municipal e desde que devidamente justificado a Mesa da Câmara Municipal irá se reunir e, certamente, caso seja para o bem da população certamente a Mesa Diretoria não terá objeção a realizar a devolução de eventual excesso do duodécimo.

Gazeta: Recentemente, os vereadores aprovaram a criação do cargo comissionado de assessor da presidência. Você pretende chamar alguém para este cargo e auxiliar seus trabalhos na mesa diretora. Já pode anunciar um nome?

Felipe: Quando assumir a presidência da Câmara Municipal estarei analisando todos os cargos da Câmara Municipal, contudo, como ainda não tomei posse do cargo, acho melhor esperar a posse em respeito ao atual presidente da Câmara Municipal.

Gazeta: Alguns projetos do Legislativo estão em andamento há algum tempo, como a Câmara Mirim e a Câmara Itinerante. Pretende retomar estas iniciativas.

Felipe: Acho os dois projetos muito interessantes e que podem contribuir para o exercício da cidadania na nossa cidade. O exercício da cidadania é um direito de todos e os projetos podem ajudar referido exercício, contudo, preciso conversar com os demais vereadores e ver a viabilidade de dar andamento aos referidos projetos.

Gazeta: Em 2018, um movimento da sociedade civil vargengrandense pediu a transmissão das sessões da Câmara ao vivo. Como pretende dar andamento nesta demanda? Haverá a transmissão ao vivo das sessões em 2019?

Felipe: No que tange a referido assunto, creio que o Regimento Interno já regulamenta a questão, contudo, estarei conversando com os vereadores e colocarei a discussão na Câmara e se necessário for estaremos fazendo as reformas do Regimento Interno para que ocorra uma maior publicidade das sessões da Câmara Municipal.

Gazeta: Recentemente, ficou clara a divisão dos vereadores em dois grupos. Com você vê esse movimento e o que pretende fazer para manter a união dos vereadores?

Felipe: Eu não vejo uma divisão de vereadores na Câmara Municipal em grupos. Certamente que quando ocorre a votação para os cargos da Mesa Diretora, cada vereador tem o direito de aderir a uma ou outra candidatura, contudo, isso não quer dizer que os vereadores estejam desunidos ou que haja um grupo. Após as eleições, não há mais disputa dentro da Câmara Municipal e creio que todos os vereadores buscam realizar a sua vereança em benefício da população sem qualquer tipo de grupo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui