A Canção de Natal mais famosa do mundo completa 200 anos

0
1213
Padre Joseph Mohr é o autor da letra

A canção Noite Feliz, uma das mais famosas do mundo, foi escrita em 1818, em Oberndorf, na Áustria, uma cidade muito próxima a Salzburgo, onde encontra-se o Museu Noite Feliz e uma capela comemorativa.

O autor do texto de “Noite Feliz”, o padre Joseph Mohr, nasceu em Salzburgo. Já a música é de autoria do professor Franz Xaver Gruber. Em Arnsdorf, uma cidadezinha próxima de Oberndorf, se localiza a antiga escola e a casa de Gruber.

Ela é uma das canções de Natal mais populares do mundo inteiro, com traduções registradas em pelo menos 45 idiomas. De tão conhecida, tornou-se um clássico declarado Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco em 2011.

Segundo a página Aleteia, os registros apontam que a canção foi executada pela primeira vez na Missa do Galo de 1818, num contexto peculiar: o sacerdote estaria um tanto inquieto porque o órgão da igreja estava quebrado – os foles teriam sido roídos pelos ratos. Em tais condições, a cantata de Natal corria o perigo de ser um fracasso.

A fim de remediar a situação, o sacerdote saiu à procura de um amigo, o músico Franz Xaver Gruber. O padre Mohr havia escrito um poema de Natal dois anos antes e precisava que Gruber criasse para ele a melodia. Algumas versões do relato, porém, dizem que o padre compôs a letra em pleno caminho até a casa de Gruber.

Quando Franz viu a letra, confirmou que poderia, sim, musicá-la, já que era simples e a melodia precisava ser fácil para que os paroquianos aprendessem rapidamente a cantá-la. Além disso, a canção teria que ser tocada em violão e flauta, porque não havia tempo para nada mais elaborado – sem falar que o órgão estava fora de questão naquele momento.

O padre Mohr agradeceu ao músico e correu de volta à paróquia para terminar de organizar a Missa do Galo. À noite, Franz chegou à igreja com o violão e reuniu o coral para ensinar a música improvisada.

Naquele Natal de 1818, os fiéis da igreja de São Nicolau cantaram a melodia singela e envolvente que, sem imaginarem, viria a se tornar a canção de Natal mais conhecida de todo o planeta.

Novos arranjos foram feitos por Gruber pouco antes de sua morte, em 1863. Em 1845, já tinha surgido o primeiro arranjo para orquestra, e, em 1855, um novo para órgão. Em 1900, a música já era mundialmente conhecida.

Fotos: Reprodução Internet

Da aldeia para o mundo

NOITE FELIZ

Versão de Pedro Sinzig, c. 1912

Noite feliz! Noite feliz!

o Senhor, Deus de amor,

pobrezinho nasceu em Belém.

Eis, na lapa, Jesus, nosso bem!

Dorme em paz, ó Jesus!

Dorme em paz, ó Jesus!

Noite feliz! Noite feliz!

Oh! Jesus, Deus da luz,

quão afável é teu coração

que quiseste nascer nosso irmão

e a nós todos salvar!

e a nós todos salvar!

Noite feliz! Noite feliz!

Eis que, no ar, vêm cantar

aos pastores os anjos dos céus,

anunciando a chegada de Deus,

de Jesus Salvador!

de Jesus Salvador!

 

Mas como foi que uma canção tão simples se espalhou dessa forma pelo mundo todo? Um relato popular diz que o técnico que foi consertar o órgão da paróquia de Oberndorf havia ouvido a história do padre e pedido que lhe tocassem aquela canção. Ele ficou tão impressionado que passou a repartir a melodia por todas as igrejas por onde passava.

O que tinha começado no improviso e sob uma perspectiva de “fiasco” em plena Missa de Natal se revelou um belíssimo presente natalino para toda a humanidade em forma de canção.

Quanto à igreja de São Nicolau em Oberndorf, ela não existe mais: foi demolida no começo do século XX porque, estando perto do rio Salzach, sofria constantes alagamentos. Para substituí-la, foi construída na década de 1920, num lugar 800 metros mais alto, a Capela Memorial da Noite, que, apesar de acolher somente vinte pessoas por vez, recebe no fim do ano cerca de 7 mil peregrinos para a Missa de Natal!

Da “Noite Silenciosa” à “Noite Feliz”

Aliás, “Noite Silenciosa” é o título original da música em alemão: “Stille Nacht“. A tradução literal foi mantida na versão “Silent Night“, em inglês. Outras línguas, porém, tiveram que adaptar a letra para fazê-la caber na música: é o caso, por exemplo, do francês “Douce Nuit” (“Doce noite“) e do português “Noite Feliz“.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui