Natal: Deus se esconde!

0
530

O som nas ruas e as vitrines enfeitadas de luzes anunciam algo diferente. Algo que transcende os olhos humanos; algo que se esconde e deseja ser encontrado. O Natal é a festa do “escondimento” de Deus.

Deus está escondido! Por detrás das luzes natalinas encontramos como luz irradiante a verdadeira Luz, aquela que não é criada pela inteligência e mãos humanas, tampouco manuseada ou manipulada para o benefício próprio. É Luz escomunal, penetrante e inovadora. Haja vista que ao clarear do novo dia, as luzes natalinas apagam-se. Já a Luz verdadeira escondida, continua a iluminar mais do que sol mesmo que as nuvens da vida tentam ofusca-las.

Deus está escondido! Por detrás das árvores e enfeites de natal está a Vida. O pinheiro escolhido tradicionalmente para ser a árvore significativa do natal, traz consigo a força e a beleza da natureza que, em muitas vezes não depende da mão humana para crescer. A Vida se esconde no cuidado, na harmonização e na singeleza de cada pétala despontada ou folhas misteriosamente caídas da copa de uma árvore. Ao ser enfeitado, o pinheiro une-se a fertilidade. Assim são as bolas natalinas e tantos outros similares. A Vida que produz frutos e estes perenes. Deus está escondido! Por detrás do símbolo conhecido do Papai Noel encontra-se a Caridade. O sininho em suas mãos anuncia, como a tradição cristã nos ensina, a presença de Deus. Já no seu famoso saco de presentes a ação humana alapada em dom. Desta figura clássica pode-se alargar a compreensão: a doação de tantos dons sacramentados em alimentos, brinquedos, roupas e mãos estendidas. Uma ação que não se encontra simplesmente o “ser bonzinho” durante o ano para ganhar presente, mas a Caridade escondida em forma de um sorriso ou “um muito obrigado por fazer meu natal mais feliz”. Deus está escondido! Por detrás das imagens figurativas do presépio bíblico se esconde o Amor. Na gruta, na estrebaria ou em qualquer outra manifestação criativa dos presépios está lá, uma pequena manjedoura humilde, quentinha e preparada para acolher o Amor feito carne. No Menino nascido esconde-se o Amor. O amor que é Deus como diz São Paulo ou o amor que é frágil como inspirou Adélia Prado: “O amor é miudezas. Ele é tão miudinho que se a gente não presta atenção, a gente pisa e mata o tempo todo. O amor é tão miudinho que se a gente não abre bem os olhos, a gente não enxerga, a gente não sabe onde está.” É miúdo, é pequeno, é humano, é recém-nascido que pode ser visto apenas com um único gesto: o rebaixar. O Natal é a festa do “escondimento” de Deus. Por mais que se camuflam a sua presença, mais ele se torna revelado. Quanto mais se revela, mais se esconde na singeleza e na humildade das coisas ao ponto do que era escondido se explodir no alto da cruz. Ali, no alto madeiro Deus não se esconde, mas se revela como Misericórdia e Amor pelo ser humano.

Vivamos o “escondimento” de Deus. Busquemos onde Ele se esconde e deixemos que Ele se revele em nós como é, isto é, essencialmente Amor.

Feliz “escondimento” Natal!

Padre Ricardo Alexandre Camargo da Silva

Vigário da paróquia Sant’Ana

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui