Após morte de idoso, prefeitura de Pinhal pede rigor de Conderg

0
884

O falecimento de um idoso de 80 anos, no dia 7 de janeiro, em Espirito Santo do Pinhal, uma hora após ter tido o atendimento negado por uma médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), da sede da Central Reguladora, em São João da Boa Vista, gerou repercussão e insatisfação da Câmara Municipal de Pinhal, conforme reportagem publicada pelo jornal O Município.

A prefeitura da cidade exigirá mais rigor do Consórcio de Desenvolvimento da Região de Governo de São João da Boa Vista (Conderg), que administra o serviço móvel na cidade e em outros nove municípios. Representantes do Samu foram a Pinhal e prestaram esclarecimentos à Comissão de Saúde, que pediu providências, na última quarta-feira, dia 16.

A secretária municipal de Saúde de Pinhal, Rita de Cássia Minarbini, informou que o ofício já foi enviado pedindo mais rigor do Conderg com os atendimentos.

Um processo administrativo foi instaurado pelo Conderg para apurar o caso. O presidente do Consórcio, o prefeito municipal de Vargem Grande do Sul, Amarildo Duzi Moraes (PSDB), esteve na audiência e informou que o processo pode terminar com pedido de arquivamento, advertência ou até de demissão por justa causa pela iniciativa do não encaminhamento.

O caso, que chocou a população de Pinhal, ganhou repercussão nacional ao ser veiculado no programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, apresentado por José Luiz Datena.

Caso

Residente em Pinhal, o aposentado Geraldo Vicente, de 80 anos, passou mal na segunda-feira, dia 7, por volta das 12h. Sem filhos, ele estava acompanhado da esposa, Maria José de Jesus Vicente, que também é idosa.

O vizinho do casal, Leonardo Orte, soube o que estava acontecendo e ligou para o Samu de seu serviço, já que o pedido de uma ambulância estava sendo negado à esposa de Geraldo. A médica do serviço atendeu, conversou com o rapaz e novamente negou enviar um veículo à residência do idoso. A conversa e o pedido negado foram gravados e divulgados. A médica que recebe os chamados e envia os veículos para atendimento fica em São João, sede da Central Reguladora do Samu.

De acordo com o jornal O Município na ocasião, a viatura já havia sido chamada, mas o motorista estava em horário de almoço e o paciente teve que esperar. Com a recusa do Samu em atender a vítima, foi preciso esperar uma ambulância do Hospital Municipal Francisco Rosas, que chegou uma hora depois da primeira ligação feita ao Samu.

O aposentado chegou a ser socorrido, mas Geraldo Vicente foi a óbito às 13h25 daquela segunda-feira, dia 7. No laudo médico, a causa apontada para a morte foi choque séptico (falência múltipla dos órgãos) e insuficiência do trato urinário.

Conforme o relatado, o idoso pouco levantava da cama, tinha pressão arterial alta, sofria com problemas cardíacos e estava com a saúde debilitada. A esposa dele, Maria José, tem a audição comprometida e outras doenças crônicas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui