O retrato da decepção

0
257

“Vocês roubaram meus sonhos e minha infância com suas palavras vazias”. Foi assim que a ativista sueca Greta Thunberg, de apenas 16 anos, resumiu toda a ineficácia das políticas mundiais para impedir as mudanças climáticas. Coube a uma adolescente escancarar que a atual humanidade falhou com as gerações futuras e que foi reservado a esses meninos e meninas a única alternativa de tentar consertar os erros e minimizar os danos provocados em nome do progresso, avanço tecnológico, desenvolvimento a qualquer custo e exploração desenfreada da natureza.

A fala de Greta, numa voz embargada e com uma expressão incrédula e cheia de mágoa em seu discurso realizado na conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), na segunda-feira, dia 23 de setembro, início da Primavera no hemisfério Sul, serviu para colocar todos para pensar.

Muitos criticaram sua fala, enxergando ódio em seu olhar. Mas uma interpretação mais acertada é de um olhar de frustração. A adolescente sueca está frustrada e com razão. Todo mundo sabia que se nada fosse feito, o clima estaria perdido. Nada foi feito e quem vai sofrer as consequências da falta de ações práticas é a geração dela e dos filhos de quem já passou dos 30. Será pior ainda para os netos. E, caso nada seja feito, a sobrevivência na Terra será praticamente inviável para os bisnetos.

Foi deixado para a geração de Greta e dos adolescentes de todo o mundo consertar tudo aquilo que a geração atual não teve competência para resolver. Imagine o sentimento de injustiça que esta menina, que já mostrou muita coragem ao cruzar o Oceano Atlântico sozinha em um barco, está sentido. Todos sabiam que se nada fosse feito para impedir as catástrofes naturais provocadas pela mudança climática, o pior iria acontecer. E deixamos acontecer.

E quando a situação ficar pior, esta geração atual não vai estar mais aqui. E por mais que se tente fazer neste momento, não será o suficiente. Por mais que muitas pessoas tentem fazer o que está em seu alcance, ainda está longe de ser aquilo que todos os países do mundo deveriam fazer. A destruição foi global e as boas iniciativas são locais e pontuais.

Que a frustração de uma adolescente não seja vista como algo a ser condenado, mas um aviso de que a atual geração falhou com o futuro. Eles têm todo o direito de cobrar esta responsabilidade. Por isso é necessário agir com rapidez e de maneira contundente para que ainda haja esperança da continuidade da espécie humana de maneira digna para todos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui