Recordar é Viver: Curso de admissão da Cidinha Pereira

0
251
Mario Poggio Jr. escreve sobre a memória da cidade

Mario Poggio Junior
Maria Apparecida Pereira, ou simplesmente “Cidinha”, fez do magistério sua razão de viver.
Aluna do Grupo Escolar Benjamin Bastos e do Ginásio Estadual Alexandre Fleming, em época de carência de instituições de ensino na região, estudou na Escola Normal em São João da Boa Vista, onde se habilitou como professora, mas somente pode cursar pedagogia, bem como curso de extensão, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Guaxupé – MG, anos mais tarde.
Com sua determinação, logo após se formar professora pela Escola Normal, lecionou como substituta no Grupo Escolar Benjamin Bastos e na Fazenda da Dona Vitória (“Fazenda Conquista”), localizada na estrada que liga nossa terra a São Roque da Fartura, após, mediante aprovação em concurso público, atuou como Mestra em escolas estaduais de São Bernardo do Campo e no SESI de São Caetano do Sul, ambas as cidades localizadas no “ABC paulista”.
Ao retornar para nossa terra lecionou em escolas da Zona Rural de nossa terra e no Colégio Estadual Alexandre Fleming (curso primário – hoje 1ª a 4ª séries), onde se aposentou.
Importante destacar que nos anos “1960”, juntamente com sua colega de Curso Normal “Dora”, que anos mais tarde mudou-se para São Paulo– Capital, organizou curso preparatório de admissão para alunos interessados em prestar exame para ingresso no Curso Ginasial (hoje equivalente ao período do 5º ao 9º ano primário), pois na época para ingressar no Curso Ginasial era obrigatório aprovação em exame de suficiência.
Hoje queremos recordar de seu curso de admissão.
Com a já citada carência de instituições, os alunos se preparavam com professores particulares, como por exemplo: Maria Antônia Rocha; Beatriz Pereira Poggio Cortez, etc….
Com referência ao Curso de Admissão organizado pelas professoras Cidinha Pereira e Dora, funcionava no sobrado localizado no cruzamento das ruas do Comércio e São Pedro, no qual tinha muitos alunos.
Preparava seus pupilos com muito amor, mas também com seriedade, de forma que exigia bastante dedicação de seus discípulos, que obtiveram excelentes resultados.
Pelo exposto, notamos que a mestra Cidinha amava o que fazia, e em razão do ensino vivia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui