Família fala sobre a vida e a obra de Beto

0
5418
Calrlos Alberto junto da esposa Sueli e dos filhos Luís Fernando, Laura, Simone e Betinho. Foto: Reprodução youtube/aldeia criativa

A reportagem da Gazeta de Vargem Grande procurou ouvir várias autoridades e também familiares e companheiros de Carlos Alberto de Oliveira Filho sobre sua trajetória como empresário do agronegócio, de sua participação na construção de toda a estrutura que mantém a bataticultura tão desenvolvida em Vargem e região e também do seu lado social.
Em entrevista ao jornal, falando em nome da família, a filha mais velha Simone afirmou que embora seu pai fosse natural de São João da Boa Vista, sempre teve Vargem Grande do Sul como a sua cidade de coração. “Ele sempre acreditou na nossa cidade e muito cedo com sua veia empreendedora e juntamente com meu avô Carlito, quebrou barreiras trazendo o plantio de batatas que eram somente plantadas nas regiões de serra para os campos da região de Vargem, sempre ajudou todos que estiveram ao seu redor, colaboradores, família e amigos. A caridade era uma prática constante na vida dele, aprendeu desde muito cedo com sua mãe Francisca a olhar para os mais necessitados, que eram esquecidos pela sociedade”, disse Simone.
Sobre a relevância que o pai teve para com o agronegócio, Simone confirma o que a maioria dos entrevistados disseram sobre a pessoa de Carlos Alberto, dizendo que ele era uma máquina de trabalhar. “Respirava trabalho, era positivo, otimista, enxergava oportunidades, nunca tirou o pé do acelerador, viveu fazendo o que amava e prosperou em todas as áreas da sua vida”, afirmou.
Disse que o pai conduzia os seus negócios com mãos firmes, muita tranquilidade nas decisões e dedicação quase que integral. “Tinha firmeza e passava essa segurança para todos que o acompanhavam, foi o melhor negociador que já conheci, uma mente brilhante, com um vasto conhecimento em agronomia, contabilidade, mercado de commodities, mercado financeiro, melhoramento e nutrição animal”, falou. Segundo ela, Beto desenvolveu todas as regiões onde estabeleceu os seus negócios, como São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Tocantins e ainda fundou a Cooperbatata, a ABVGS e o Complexo Frigorífico na região.


Esteio para a família
Lembra a filha mais velha como seu pai sendo o alicerce, o esteio, o porto seguro, o árbitro, o incentivador, o filho, irmão, marido, pai e avô que todos respeitavam. Um homem com uma capacidade de unir as pessoas. “Era líder, era bravo e ao mesmo tempo amoroso, o sorriso dele era puro, grande, verdadeiro, nunca fingiu seus sentimentos, era autêntico. Sempre dizia que a família tinha que vir em primeiro lugar nas nossas vidas, que era o bem mais precioso”, disse.
Dentre as qualidades de seu pai, Simone disse que ele nunca guardou mágoas de ninguém e que também nunca poupou os filhos das palavras duras. “Mas, passavam 15 minutos ele ligava para nós e falava assim: Vem aqui em casa pra gente pedir uma pizza e traz as crianças. Nem parecia que tínhamos discutido a poucos minutos. A gente nem conseguia ficar com raiva dele”, lembrou.
A imagem que guarda do pai, é que ele sempre foi um gigante para ela. Descreve-o como uma força da natureza. “Para mim ele podia tudo, não tinha limites a sua força, a energia de vida dele era demais, falando dele, sinto seu coração pulsando, é muito forte! Acredito que estaremos sempre conectados até o nosso grande encontro”, disse emocionada.
Lembrando a preocupação com o lado social que Carlos Alberto possuía, falou da paixão que o pai tinha pela Associação Setembro. Segundo Simone, ele queria mostrar que se todos ajudassem, poderia ter uma cidade que seria referência para outras cidades. “Ele sempre acreditou nas entidades, mas sempre exigiu a transparência para que pudéssemos doar de uma forma que seria realmente efetiva para a entidade, ele queria doar o que a entidade necessitava, alimentos, remédios, materiais, etc. Ele queria negociar os itens comprados para economizar o dinheiro e assim conseguir comprar mais itens, ele fazia contas de tudo, o desejo dele era de que todos abraçassem a Associação para que ela pudesse abraçar e amparar aqueles que realmente precisavam. Ele acreditava que a Associação poderia mudar a vida das pessoas e doou muitos bens em vida e pode ver o começo desse sonho se realizando. Ele foi muito abençoado!”, finalizou.

Homenageado pela Gazeta
Em setembro de 2006, quando o jornal Gazeta de Vargem Grande completou 25 anos, Carlos Alberto de Oliveira Filho foi um dos homenageados pelo jornal devido ao seu trabalho e conquistas junto ao agronegócio vargengrandense. Na ocasião, ele juntamente com seus familiares, participaram das festividades que o jornal realizou na Sociedade Beneficente Brasileira, do qual recebeu um Diploma de Mérito, juntamente com outras lideranças de destaque da cidade em seus mais variados segmentos.

Calrlos Alberto junto da esposa Sueli e dos filhos Luís Fernando, Laura, Simone e Betinho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui