Ao eleger Amarildo, população vota na responsabilidade

0
619
Apoiadores de Amarildo e Celso Ribeiro comemoram a eleição. Foto: Arquivo Pessoal

Tadeu Fernando Ligabue
Com uma votação surpreendente, 65,71% dos votos, o eleitorado vargengrandense conduziu novamente o atual prefeito Amarildo Duzi Moraes (PSDB) ao governo da prefeitura de Vargem Grande do Sul por mais quatro anos, nas eleições municipais que aconteceram no domingo, dia 15 de novembro.
Foram 14.002 votos contra 7.306 dados ao seu oponente, o ex-prefeito José Carlos Rossi do (PSD), que somou 34,29% de um total de 21.308 votos válidos. Dos 23.181 votos apurados, 1.074 foram nulos, ou seja, 4,63% e 799 foram em brancos, totalizando 3,45%. O número de eleitores cadastrados no município e aptos a votarem, era de 31.821. Deixaram, portanto, de votar 8.640 eleitores, o que deu uma abstenção de 27,15%, maior que a de 2016 que foi de 20,86%.
Amarildo após algumas indecisões sobre quem seria seu candidato a vice, conseguiu fechar uma parceria com o ex-prefeito Celso Ribeiro, que havia declarado que seria candidato a prefeito pelo Podemos nesta eleição.
Caso Celso Ribeiro de fato saísse candidato, a eleição poderia tomar outro rumo e os resultados poderiam ser imprevisíveis, pois três fortes candidatos, Amarildo, Celso Ribeiro e Rossi estariam disputando os votos dos eleitores.
Há de reconhecer que Rossi conseguiu 34,29% dos votos e se Amarildo e Celso dividissem o restante dos votos, 65,71%, cada um obteria 32,85% e Rossi seria eleito. É uma conta imaginária, pois muitos fatores iriam influenciar no pleito se fossem três os candidatos. Certo é que Amarildo se destacava, pois estava no governo, tinha a máquina administrativa na mão e sua gestão era muito bem avaliada pelos moradores da cidade. Mas, quando se divide uma mesma força, o imponderável acontece.
Ao somar forças com Celso Ribeiro, o atual prefeito centrou sua campanha política mostrando o bom gestor público que foi ao recuperar as finanças do município que foram deixadas em estado calamitoso pelo ex-prefeito Celso Itaroti, de quem Amarildo já havia ganho em 2016, com uma estrondosa vitória de 87,76% contra tão somente 12,33% dos votos dados a Itaroti.
Também mostrou com exaustão utilizando principalmente as redes sociais, as obras de sua administração, além de fazer circular uma revista poucos dias antes da eleição, mostrando como foram seus quatro anos de governo. Nesta empreitada, também foram divulgadas as obras dos oito anos de gestão de Celso Ribeiro que impactaram muito o município, como a represa Eduíno Sbardellini, a construção da Etec, do novo Distrito Industrial, a nova captação de água e a estação de tratamento de esgoto, dentre tantas outras obras.
O trabalho de Amarildo no combate à pandemia do coronavírus, demonstrou sua seriedade e responsabilidade frente ao governo da prefeitura, motivando positivamente o eleitor a confiar nele novamente mais quatro anos como prefeito de Vargem Grande do Sul.
Além da pandemia que mobilizou as atenções do governo de Amarildo neste ano, outro problema que veio à tona foi com relação ao abastecimento de água do município. A severa seca que atingiu a cidade e afetou consideravelmente a barragem Eduíno Sbardellini e também a falta crônica de investimentos principalmente na distribuição de água na cidade, acendeu a luz vermelha na administração, o que levou o gestor público a fazer pesados investimentos na área, com mais de R$ 10 milhões que estão sendo empregados na construção de cinco novos reservatórios de água e também três novas adutoras.
Todas estas obras, além da construção de uma nova represa para armazenamento de água, foram explicadas minuciosamente aos leitores da cidade que resolveram dar novo crédito ao candidato que buscava a sua reeleição.
Pelo conjunto da obra e a responsabilidade que demonstrou, Amarildo Duzi Moraes foi reeleito com uma expressiva votação, marcando sua liderança política em Vargem e também na região pelo PSDB, o que pode levá-lo a sonhar com voos políticos mais altos.

A redenção de Rossi
José Carlos Rossi, que foi um dos políticos mais populares dos últimos 30 anos que a cidade produziu, teve seus direitos políticos cassados por oito anos e cumpriu prisão por improbidade administrativa pelos crimes que cometeu quando prefeito, com a campanha e os votos que obteve do eleitorado vargengrandense nesta eleição, ressurge de novo como uma das principais lideranças políticas da cidade.
Rossi foi prefeito de 1989 a 1992, elegeu seu vice-prefeito José Reinaldo Martins para administrar Vargem de 1993 a 1996 e ainda teve força política para eleger sua esposa na época, Denira Tavares Rossi para governar a cidade de 1997 a 1999, quando ela foi cassada pela Câmara Municipal. Na ocasião, Rossi se elegeu como vice-prefeito de sua esposa, mas não pode assumir no lugar da prefeita, impedido que foi pela Justiça, que cassou seus direitos políticos.
A partir desta data, foi embora de Vargem, cumpriu pena de prisão e ao reaver seus direitos políticos, voltou nos últimos anos para Vargem Grande do Sul e nesta eleição, mostrando o quanto é carismático e popular, obteve a expressiva votação de 7.306 votos, o que o torna um dos principais atores políticos nos próximos quatro anos e certamente, difícil adversário para a próxima eleição municipal.

A volta de Celso Ribeiro
Um dos prefeitos mais capacitados que a cidade teve nos últimos anos, foi prefeito de 2001 a 2004 e também de 2005 a 2008, com obras que impactaram a cidade de Vargem Grande do Sul, além de ter importante papel na eleição de Amarildo Duzi Moraes para prefeito em 2008, Celso ressurge depois da derrota que teve nas eleições de 2012 para Celso Itaroti.
Não se sabe como será sua participação no governo de Amarildo, para o qual foi eleito vice-prefeito. Se tiver oportunidade, principalmente na construção da nova represa da cidade e em outras obras, pois tem amplo conhecimento como gestor público, poderá despontar novamente como outra grande liderança política da cidade para os próximos anos, principalmente se Amarildo abrir mão de metade de sua gestão para se candidatar a algum cargo como deputado ou for convidado para ocupar algum cargo importante junto ao governo do Estado, cujo ocupante é do PSDB, mesmo partido de Amarildo.
Se isso acontecer, Celso Ribeiro poderá ocupar o cargo de prefeito por dois anos e se candidatar à reeleição, mas tudo isso são conjecturas e o futuro a Deus pertence.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui