Ex-prefeito Rossi se posiciona sobre reportagem da Gazeta de Vargem

0
1656
José Carlos Rossi é candidato a prefeito pelo PSD. Foto: Divulgação

O ex-prefeito José Carlos Rossi (PSD), que disputou as eleições municipais ocorridas no dia 15, quando foi derrotado pelo prefeito Amarildo Duzi Moraes (PSDB) entrou em contato com a Gazeta de Vargem Grande, pedindo direito de resposta com relação às colocações do jornal sobre a reportagem : “Ao eleger Amarildo, população vota em responsabilidade”, veiculada na edição de 21 de novembro.
Dessa maneira, a Gazeta que sempre se pautou por abrir seu espaço à pluralidade, publica o texto enviado pelo ex-prefeito:
“O título da matéria “população vota na responsabilidade” não é apenas desrespeitoso, como também deixa margens para que os leitores absorvam uma interpretação errônea sob minhas obrigações e deveres na época em que administrei Vargem Grande do Sul.
Mas vamos falar de responsabilidade? Quando fui prefeito, o país enfrentava grave crise econômica, vivíamos tempos terríveis de inflação e mesmo assim, Vargem foi muito bem administrada. Não faltavam empregos, diversas medidas foram colocadas em prática para que pudéssemos vencer (e vencemos) a crise. Adultos recebiam cursos profissionalizantes e jovens recebiam sua primeira experiência com emprego efetivo através do projeto “guarda mirim”.
Também nunca deixamos faltar água, foram construídos reservatórios que mantinham as necessidades e demanda da população. Não faltou moradia, pois em apenas 4 anos, foram construídos 3 conjuntos habitacionais.
Os idosos carentes não foram varridos para debaixo dos tapetes, foram tratados com dignidade, receberam suas próprias casas em uma comunidade.
Haviam remédios, postos de saúde, até mesmo o primeiro pronto socorro foi construído em minha administração. Creches, escolas e uma educação invejável que progredia à cada dia.
Aumentamos a segurança com a criação da guarda municipal, e também a segurança dos trabalhadores rurais, pois se não se lembram, foi minha administração que providenciou o asfalto e a sinalização da estrada que liga Vargem até São Roque da Fartura afinal, antes disso, o trajeto era palco de tragédias recorrentes por conta da precariedade do asfalto.
Eram tempos difíceis! E não havia leis e emendas parlamentares que destinavam como hoje, diversos recursos financeiros para um determinado município. Eram dias incertos para todos os brasileiros e mesmo assim, em meus 4 anos como gestor, a cidade foi tão bem administrada que nunca ficou devendo um centavo, e grande parte de nossas conquistas, foram adquiridas com recursos próprios.
Eu poderia fazer uma extensão de tudo isso, detalhar obra por obra e a importância de cada uma delas (e foram quase 40) e também falar de cada programa social que tínhamos e que funcionavam muito bem! Mas como se não bastasse o título da matéria, ainda cometem equívocos que foram esclarecidos pela justiça. Horas, se fui preso por solicitar a troca do motor do meu carro com dinheiro público, não seria também condenado se devesse algo mais? Não sou criança, não me falta instrução e formação, quando tomei essa decisão eu estava perfeitamente ciente dos riscos. Mas era a única coisa que tínhamos naquele momento de crise, era o único jeito de continuar atendendo a população. E ainda pergunto: Em meu lugar, alguém teria a coragem de colocar seu próprio carro como ambulância para atender necessitados em tempos de crise? Alguém de vocês ousaria? Provavelmente não, afinal, para algumas pessoas é mais cômodo ignorar o clamor dos necessitados do que correr o risco de perder o cargo de prefeito. A decisão que tomei, foi consciente e necessária, mas infelizmente vocês omitem essa parte da história, se esqueceram dos tempos de crise, se esqueceram da inflação e do quão sofrido foi aquela época. Não se lembram mais de que enquanto o país todo passava apertado e conhecia a fome, nós fomos capazes de fazer com que Vargem desse um grande salto no tempo, que naquela época tivemos sim uma das mais responsáveis administração de toda a região! É pena que seus filhos e netos tenham que ler um título no jornal onde evidentemente, os dizeres “população vota na responsabilidade” tem como efeito colateral (direta ou indiretamente) me qualificar como ‘irresponsável’”, finalizou Rossi.

Nota da redação

O título da matéria só procurou retratar um dos aspectos que podem ter levado os eleitores de Vargem Grande do Sul, aliás, uma maioria de 65,71%, a votar no candidato Amarildo Duzi Moraes. Quando o redator se referiu à responsabilidade, fez menção à maneira com que o atual prefeito conduziu a administração pública nos últimos quatro anos e como a população pode ter percebido suas ações e o julgando responsável para ser reconduzido ao cargo de prefeito.
Também é notório o passado político do ex-prefeito José Carlos Rossi, que embora procure amenizar seus erros e já tenha cumprido sua parte com a sociedade, pagando à Justiça de maneira dolorosa os atos que praticou, inclusive com a perda de sua liberdade e dos seus direitos políticos, deixa ainda resquícios em sua biografia dos atos que praticou e tudo isso pode ter influenciado o leitor ao depositar seu voto de confiança ao eleger o próximo prefeito de Vargem Grande do Sul.
Quando Rossi faz tanto alarde sobre ter colocado seu carro à disposição dos doentes da cidade para levá-los a serem medicados em outros municípios, como a querer justificar seu erro ao mandar colocar um motor no mesmo e pagar com dinheiro dos cofres municipais, o correto seria como administrador público, ao ver a necessidade de ter mais um veículo para realizar esta tarefa, economizar no que podia e comprar um novo veículo com o dinheiro público.
Se tivesse agido assim, dentro do rigor da lei, não teria sido condenado e a população estaria sendo servida de acordo com a lei, sem paternalismo ou populismo. O dinheiro que gastou com o conserto do motor e mais um pouco, poderia se não comprar um veículo novo, pelo menos um usado em boas condições, sem ter todos nós de passar por tudo que suas ações ao arrepio da lei provocaram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui