Com prisão de três pessoas Polícia Civil esclarece oito crimes em Vargem

0
4855

Um adolescente de 17 anos e um rapaz de 25 anos confessaram a autoria da tentativa de latrocínio em uma sorveteria perto do Fórum na noite do último domingo dia 13. Um segundo adolescente, de 16 anos de idade, que junto do jovem de 17 anos era investigado pela prática de um roubo confessou a participação em outros sete crimes em Vargem, incluindo o roubo à casa de um aposentado no Jardim Dolores, de onde foi levado R$ 20 mil.
De acordo com o delegado Antônio Carlos Pereira Júnior, a Polícia Civil trabalha agora na investigação sobre a participação de outros criminosos nestes roubos e furtos.

Tentativa de Latrocínio
No domingo, dia 7, pouco antes das 20h, o adolescente de 17 anos vestindo camisa e boné vermelhos, calça preta com listra lateral branca, máscara branca de proteção contra a Covid-19 e calçando chinelos, entrou na sorveteria.
Ele anunciou o assalto e segundo relatou ao delegado, ao pegar um celular em cima do balcão percebeu que a vítima, uma mulher que trabalhava no local, fez um gesto em direção a ele. Pensando que a mulher iria tentar pegar a sua mão, e ouvindo a movimentação de outros clientes da sorveteria, acreditou que seria segurado e para evitar ser pego, disparou contra a vítima. O tiro pegou no rosto da mulher e o assaltante fugiu levando o celular.
A vítima foi socorrida ao Hospital de Caridade e felizmente não correu risco de morte. O projétil ficou alojado em seu rosto, próximo à orelha, entre a pele e o osso. A mulher foi levada no dia seguinte para São João da Boa Vista, onde foi submetida a uma cirurgia para extração do projétil.
Assim que foi alertada a respeito da tentativa de latrocínio, a equipe da Polícia Civil de Vargem Grande do Sul, sob o comando do delegado Antônio Carlos Pereira Júnior, passou a procurar os suspeitos e mais detalhes sobre o crime.
A equipe teve acesso às imagens de circuito de segurança de estabelecimentos vizinhos e com base nos vídeos, levantou suspeita de que um adolescente que já estava sendo investigado pela participação de outros crimes na cidade, pudesse estar envolvido na tentativa de latrocínio.
Os investigadores foram até a casa do adolescente e do jovem suspeitos pelo envolvimento nos crimes, bem como nos locais que costumam frequentar e eles não foram localizados, o que aumentou os indícios para a polícia de que teriam envolvimento no crime e que estariam escondidos.
As investigações seguiram pela madrugada e pela manhã seguinte até que a Polícia Civil foi informada que moradores acionaram a Guarda Civil Municipal após localizarem em um terreno atrás do Centro de Saúde, roupas jogadas que poderiam ter sido usadas pelo suspeito.
A Polícia Civil foi até o local e em seguida foi avisada pela família da vítima que o celular subtraído no crime havia sido localizado na mesma área, após seguirem o rastreamento do aparelho.
A polícia continuou as buscas pelos suspeitos até que eles foram localizados em uma chácara no Paracatu. Eles foram detidos e como não deram informações convincentes aos policiais sobre o que faziam, foram levados até a Delegacia para esclarecimentos, onde após serem questionados acabaram confessando a tentativa de latrocínio.
Eles contaram que no domingo se encontraram depois do almoço e combinaram a prática de um roubo para o mesmo dia, uma vez que o adolescente já havia “alugado” uma arma. Durante a tarde, por volta das 14h, foram até a sorveteria para tomar um sorvete e analisar como seria o crime no estabelecimento.
À noite, a dupla foi até a sorveteria. O rapaz de 25 anos passou em frente o estabelecimento, viu que havia pouco movimento e avisou o adolescente que entrou para fazer o roubo, enquanto que o rapaz permaneceu na esquina, para fazer a vigilância.
O adolescente armado contou que entrou na sorveteria onde estava um casal e a vítima. Ele disse que apontou a arma para a mulher, que fez o gesto em direção ao celular e ao pensar que fosse ser segurado, disparou contra a vítima e após saiu correndo. Disse ainda que deixou a roupa e o celular da mulher no terreno atrás do Centro de Saúde.
Ao ser questionado pela polícia, informou que havia devolvido a arma a uma mulher de cabelos encaracolados que seria responsável pelo revólver, o que despertou a desconfiança dos policiais.
A dupla foi presa pela tentativa de latrocínio e a polícia seguiu com as investigações. Por não acreditar que a arma tinha sido devolvida, os policiais voltaram ao local onde foram encontrados as roupas e o celular que havia sido levado da vítima. Ao fazer as buscas pelo local, encontraram debaixo de algumas folhas secas e parcialmente enterrado, o revólver calibre 32 com seis cartuchos, sendo quatro intactos e dois já deflagrados.
A polícia ouviu a vítima e ela disse que em momento algum reagiu e que apenas queria entregar o celular ao assaltante. O projeto que estava alojado em seu rosto foi extraído durante uma cirurgia e foi encaminhado juntamente com a arma para perícia, onde será realizada a confrontação balística, para comprovar se aquele projétil saiu daquela arma.

Outros crimes
O delegado comentou que a Polícia Civil já vinha investigando o envolvimento do adolescente de 17 anos e do rapaz de 25 anos em outros roubos ocorridos na cidade. Na quarta-feira, dia 10, foi apreendido um outro adolescente, de 16 anos, também suspeito de ser comparsa do jovem de 17 anos em outros crimes.
Ele já tinha sido reconhecido pela participação em uma casa no Jardim Paraíso 2 no dia 3 de janeiro, junto do outro garoto. Ao ser ouvido na Delegacia, o adolescente de 16 anos confessou o roubo do dia 3 de janeiro e de mais quatro furtos de motocicletas e um roubo a uma residência no Jardim Dolores, onde após agredir um idoso e arrombar duas portas, roubou R$ 20 mil, em um caso que despertou comoção na cidade. Apesar de confessar o envolvimento nos crimes, ele não informou quem seriam seus comparsas.
Já o adolescente de 17 anos confessou ter participado do roubo à casa no Jardim Paraíso 2, junto deste outro garoto. A Polícia Civil segue investigando os demais envolvidos que podem ser ainda o adolescente de 17 anos ou o jovem de 25 nestes outros crimes.
O jovem de 25 anos e o adolescente de 17 também foram presos pelo roubo a um posto de combustíveis ocorrido na tarde do sábado, dia 6, no Jardim Paulista. Neste crime, foram roubados R$ 350,00 e o celular de um cliente. Inicialmente, eles negaram a participação neste roubo, mas as vítimas reconheceram os criminosos inclusive a arma utilizada, que foi a mesma empregada na tentativa de latrocínio na sorveteria. Além disso, o celular da vítima foi encontrado escondido perto da casa do jovem de 25 anos
De acordo com o delegado Antônio Carlos Pereira Júnior todos os crimes relacionados a estes três jovens têm ligação com o tráfico de drogas, seja para comprar entorpecente para revenda ou pagar dívida de tráfico. A polícia segue ainda investigando também a quem pertencia a arma apreendida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui