Câmara aprova aumento aos servidores municipais

0
645
Valor fica aquém do pleiteado pelos funcionários. Foto: Reportagem

Valor fica aquém do pleiteado pelos funcionários

Os vereadores aprovaram por unanimidade nesta sexta-feira, dia 23 de março, o projeto de lei de autoria do prefeito municipal Amarildo Duzi Moraes concedendo um aumento de 2,84% aos servidores municipais ativos, inativos e pensionistas a partir da folha de pagamento do mês de março, seguidos de mais dois aumentos de 1%, tendo por base os valores pagos em fevereiro, sendo o primeiro a partir do mês de julho e o outro a partir da folha de pagamento do mês de novembro de 2018, totalizando 4,84%. O Sindicato dos Servidores pleiteava um aumento de no mínimo 9,19%, sendo 6,25% referente à inflação do ano de 2.016, que não foi concedido no ano passado e mais a inflação de 2.017, que foi de 2,94%.
Na mesma sessão, os vereadores aprovaram uma revisão geral anual de 2,84% para os servidores do Poder Legislativo, mais um reajuste de 2% a partir da folha de pagamento de março de 2018, totalizando também 4,84%. Votaram contra os vereadores Laércio, José Luís e Canarinho. A Câmara Municipal aprovou ainda com o voto contrário dos vereadores Canarinho, Laércio, Serginho, Guilherme e José Luís, um aumento de 2,84% sobre o subsídio dos vereadores municipais a partir da folha de março.
Apesar de votarem a favor, muitos vereadores fizeram uso da palavra e se posicionaram contra o aumento, achando que o valor poderia ser maior. Também questionaram que o projeto foi levado para votação em cima da hora, não dando tempo para maior discussão entre os membros da Câmara.

Presidente do SSPM diz que aumento deveria ser dado de uma vez

Em entrevista a Gazeta, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais – SSPM Edson Bovo disse que os funcionários municipais ficaram perplexos com o aumento aprovado, pois ansiavam por um aumento maior e o que foi concedido deveria ser dado de uma única vez, ao invés de parcelado. Também lembrou o presidente que o Sindicato pediu R$ 100,00 de aumento no auxílio alimentação e não foi concedido.
“Continuaremos nossa luta e na próxima semana vou enviar oficio ao prefeito Amarildo, para que proceda novos estudos no sentido de se mudar as datas das porcentagens de julho e novembro”, afirmou. Edson disse que com a arrecadação do IPTU que vence em 30 de março e a tendência de crescimento na arrecadação, ele acredita que o projeto pode ser alterado a qualquer momento pelo prefeito, bem como o chefe do Executivo poderá dar o aumento do auxilio alimentação, que é de grande importância para o servidor.

Valor fica aquém do pleiteado pelos funcionários. Foto: Reportagem

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui