Temporada da Seca

Em novembro de 2020, lago d represa chegou a baixar 1,33 metro

Finalmente o Outono, que começou oficialmente no dia 20 de março, resolveu aparecer. Durante essa última semana, as noites começaram a ficar mais frias e o tempo mais seco. Resultado? Quem sofre com problemas respiratórios já entrou em estado de alerta.
O Instituto Nacional de Meteorologia (InMet) observou que no Outono em São Paulo, a umidade relativa do ar fica frequentemente baixa durante as tardes, chegando a ficar menor que 30%, especialmente no interior. Também é nessa época do ano, ao final do trimestre, que os nevoeiros passam a ocorrer com mais frequência, devido à intensificação do resfriamento noturno e ao fenômeno conhecido por inversão térmica, o qual também ajuda na deterioração da qualidade do ar.
O InMet ainda indicou que devem permanecer áreas com chuvas próximas e abaixo da média para os próximos meses e as temperaturas ligeiramente abaixo da média em abril.
Como o Inverno da região Sudeste é caracterizado pela seca, não é difícil imaginar que o cenário pode ser tão complicado quanto no ano passado, quando a estiagem prolongada teve impacto fundamental na devastação causada pelos incêndios que destruíram uma área enorme entre Vargem Grande do Sul, São João da Boa Vista e Águas da Prata.
Além disso, a Saúde pública também já deve ter ligado sinais de atenção. Justamente pelo agravamento de parte da população que é mais suscetível a doenças como rinite, sinusite, bronquite, a procura pelo Gripário, onde são atendidos pacientes com sintomas de gripe e da Covid-19, vai se intensificar.
De acordo com reportagem da Agência Brasil, do Governo Federal, pesquisa realizada pela Universidade Federal Fluminense aponta que o elevado número de casos de Covid-19 no Brasil deve se prolongar, muito devido à sazonalidade da doença, ou seja, período em que a propagação do vírus tende a ser maior, o que acontece com a chegada do outono e do inverno.
Para fazer frente a esses problemas, o poder público municipal deve estar preparado. A Guarda Civil Municipal e a Defesa Civil de Vargem mostraram que possuem experiência e conhecimento para o combate a grandes incêndios. Mas é preciso que as equipes se mantenham bem equipadas e o efetivo seja maior, para que as ações sejam ainda mais efetivas.
Outro ponto a ser considerado é o problema de abastecimento em vários bairros da cidade. Em algumas áreas a questão chega a ser crônica. Mas o Executivo tem procurado investir nesses setores. Deu início ao projeto de se construir um segundo lago na Várzea do Zecão, para contribuir com a reservação de água no município. Além disso, aguarda a finalização da retirada de argila em uma propriedade particular ao lado da SP-344, onde após a empresa concluir a exploração do barro, a prefeitura poderá tratar junto da família proprietária da área a construção de uma outra barragem para a captação de água para a cidade.
Enquanto isso, já deu início ao processo para contratar uma empresa que fará a retirada de areia acumulada no leito da represa Eduíno Sbardellini, para buscar aumentar a sua capacidade. Entre outras ações para buscar minimizar o impacto da falta de água em Vargem está a construção de uma nova rede para a Vila Santa Terezinha e a de novas adutoras e reservatórios.
Com relação à Covid-19, as medidas seguem a mesma: vacinação em massa da população e enquanto isso não acontece, é preciso que as pessoas permaneçam em casa e caso seja necessário sair, que sigam o distanciamento social, higienização das mãos e o uso de máscaras.
O inverno está chegando e com ele, mais uma série de desafios para a cidade. É preciso união, conscientização e cuidado com o próximo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui