Economia x Saúde

0
1096
Rua do Comércio

Nos últimos dias tem se acirrado a batalha de discursos sobre o que seria mais importante neste momento de enfrentamento da pandemia da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus: salvar a economia ou manter o isolamento social das pessoas, para desacelerar a evolução dos casos. No entanto, uma coisa não exclui a outra e é possível que ambas tenham atenção dos governantes.
Dados do Ministério da Saúde da sexta-feira, dia 27, apontam que o Brasil já somava 3.417 casos da doença, com 92 mortes. Um número que possivelmente pode ser bem maior por conta de subnotificações. Vargem Grande do Sul também pode ter seu primeiro caso positivo, se o teste realizado em um paciente que havia sido confirmado e depois questionado, realmente seja positivado.
Esta semana, a rua do Comércio ficou parada, vazia. A maioria dos vargengrandenses permaneceu em casa. A prefeitura desinfetou as ruas, firmou convênio com o Hospital de Caridade, empresas doaram produtos ao município, atos de solidariedade se espalharam pelo município.
No entanto, a realidade econômica começou a assombrar comerciantes. Como bancar a próxima folha de pagamento uma vez que tudo está fechado? Ninguém compra nada, ninguém contrata mais um pedreiro, um pintor?
Mas como voltar às ruas num momento como este? Giuseppe Sala, prefeito de Milão, uma das cidades italianas mais devastadas pela covid-19, com 4,4 mil mortos, admitiu na sexta-feira que a política adotada em fevereiro, a de “Milão não para”, foi um erro. Assim, é preciso aprender com o erro italiano.
E para a economia não parar, o Palácio do Planalto anunciou um grande pacote de incentivos para garantir o emprego e socorrer os trabalhadores informais. O governo do Estado também tem adotado medidas nestas duas áreas. Mantendo a quarentena e isolamento social e investindo em benefícios aos empreendedores.
Na outra ponta, os vargengrandenses precisam continuar contribuindo. Mantendo-se em casa, cuidando das pessoas dos grupos de risco e colaborando com as políticas públicas adotadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui