Abusos em tempos de pandemia

0
789

O homem traz dentro de si o anjo e o demônio. Tem certas coisas que por mais que você tenta achar uma explicação, esbarra-se numa aberração tão grande, que fica difícil tentar entender como um ser humano pode fazer algo tão horrível. O que leva uma pessoa já avô, no alto dos seus 55 anos, abusar sexualmente de uma criança de três anos? Não há respostas plausíveis, apesar da psicologia e da ciência explicarem muitas coisas.
A mente humana, seus desejos, seus conflitos, sua percepção do bem e do mal, do anjo e do demônio que habita cada um, faz-nos indagar a Deus quais os limites de sua criação.
Divagações à parte dos horrores humanos, nestes tempos de isolamento social devido à pandemia do coronavírus, quando crianças e adultos passam a conviver mais tempo confinados em suas casas, as chances dos abusos sexuais aumentam muito e na maioria das vezes, envolvendo entes da mesma família.
Já está comprovado que a violência sexual contra crianças e adolescentes, em sua grande maioria, ocorre dentro de casa por pessoas em geral da confiança da vítima, como pais, padrastos, avós, tios, tias, madrastas, mães, cuidadoras, etc.
O cuidado tem de ser redobrado. Os pais ou responsáveis devem ficar muito atentos ao comportamento de seus filhos. As mudanças bruscas se ocorrerem, devem ser investigadas com todo o cuidado, pois pode ser que atrás de gestos, olhares, atitudes de angústia, está a ocultar um abuso a que a criança ou mesmo o jovem, está sendo submetido.
O Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi celebrado na segunda-feira, dia 18 de maio. No dia anterior, a Polícia Civil prendeu um homem acusado de ter estuprado um menino de 3 anos, na Zona Rural de Vargem Grande do Sul. É um fato chocante, mas infelizmente não é o primeiro e nem será o último abuso que acontece na cidade. Vigiar e denunciar é ainda a melhor maneira de diminuir este crime tão hediondo.
Denúncias podem ser feitas na Delegacia e também pelo Disque 100 (Disque Direitos Humanos), através do 180 ou recorrendo ao Conselho Tutelar de Vargem Grande do Sul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui