Cibercrimes: golpes pela Internet aumentam em Vargem

1
1801
Homens de Vargem estão caindo no golpe dos Falsos Nudes, um tipo de “sextorsão”. Foto: Reprodução Internet

A Polícia Civil de Vargem Grande do Sul alerta para o aumento da incidência dos golpes praticados pela Internet. Segundo o relatado à Gazeta de Vargem Grande, toda a semana vítimas procuram a Delegacia para denunciar casos de estelionato praticados de maneira on-line ou pedir informações sob suspeitas desses golpes cibernéticos.
Uma cartilha lançada recentemente pela Polícia Civil do Estado de São Paulo descreve quais os golpes que têm sido aplicados com frequência, como evitá-los e o que o internauta precisa fazer tão logo descubra que foi vítima de um deles. Em entrevista à Gazeta de Vargem Grande, o delegado Antônio Carlos Pereira Junior, informou que todas as semanas são registrados crimes como esses em Vargem.
De acordo com a cartilha, os mais comuns são os da Clonagem do WhatsApp, do Boleto Falso, Fraudes Bancárias, Sites de comércio eletrônico fraudulento, Golpe do Falso Leilão e Ransonware (sequestro de dados). Há ainda os golpes como o do Amor/ Golpe Don Juan e os de Sextorsão. Além dos crimes contra a honra, como calúnia e difamação. Mais recentes são os golpes envolvendo as chaves Pix para pagamentos. Ressaltou ainda a Polícia Civil de Vargem que são comuns na cidade ainda os golpes do Falso Sequestro.

Sextorsão
É a ameaça de se divulgar imagens ou vídeos íntimos para forçar alguém a fazer algo, seja por vingança, humilhação ou para obter vantagem financeira. Mas em Vargem, tem sido comum uma versão envolvendo homens como vítimas. Somente na terça-feira, dia 1º dois moradores procuraram a Delegacia para se informarem, pois quase foram vítimas desta chantagem.
Os casos são bastante semelhantes: uma garota bonita envia um pedido de amizade ao internauta. As conversas vão evoluindo e o relacionamento vai esquentando a ponto da mulher enviar fotos sensuais e até nuas ao homem, que muitas vezes acaba enviando também imagens suas para as garotas. Dado momento, a “conversa” é atravessada por uma terceira pessoa. No caso, alguém se dizendo tio da garota, que se trataria de uma adolescente de 14 anos e passa a acusar o homem de pedofilia, alega que o pai da jovem está preso e que poderia até matar o novo “namorado” da menina.
Diz ainda que já tinha denunciado o caso à polícia da cidade da garota e chega a enviar fotos de um delegado ao homem, que com medo das ameaças e da possível retaliação acaba concordando com o suposto “tio” a pagar uma soma em dinheiro para “encerrar o caso”.
Para não cair em golpes como esse, a cartilha orienta aos internautas a não compartilhar fotos e vídeos íntimos, evitar manter fotos e vídeos íntimos em seu celular – caso ele seja roubado o criminoso poderá ter acesso a esse conteúdo; desconfiar de pedidos de amizade vindos de desconhecidos; evitar participar de chamadas de vídeo com desconhecidos, lembrando que a imagem da pessoa que você está vendo pode ser falsa.

Golpe do amor
Há ainda o golpe Don Juan que faz de vítimas pessoas que estão em busca de relacionamento amoroso e utilizam plataformas digitais para encontrar o par perfeito. Os criminosos criam perfis falsos nesses sites alegando morar em cidades distantes ou em outros países e a princípio, por meio de conversas sedutoras e juras de amor, tentam ganhar a confiança da vítima, para em seguida, começar a pedir dinheiro para supostas passagens de avião para se conhecerem pessoalmente, tratamentos de saúde, etc.
A Polícia Civil informou que recentemente uma moradora de Vargem Grande do Sul foi vítima desse golpe. Para evitar este tipo de crime, a orientação é marcar encontros pessoais em locais públicos e desconfiar de empréstimos em valores altos.

Caso tenha sido vítima
Tanto no golpe Don Juan, quanto o da Sextorsão, caso a pessoa já tenha sido vítima, a orientação da cartilha é não apagar as conversas mantidas com o criminoso; se a conversa ocorreu em rede social, salvar o nome e o link do perfil, anotar os dados de eventuais contas bancárias informados pelo criminoso e procurar a Delegacia.

Golpe do Boleto Falso
O boleto de cobrança é um instrumento de pagamento pelo qual o emissor, denominado “Beneficiário”, receberá em sua conta o valor referente a um produto ou serviço. O criminoso altera o código de barras de modo que o valor caia na conta do integrante da quadrilha.
De acordo com a Polícia Civil, muitas empresas de Vargem foram vítimas desses golpes e procuraram a Delegacia. Para evitar, a orientação é verificar se os dados do “Beneficiário” correspondem aos de quem lhe vendeu o produto ou serviço. Também é necessário conferir se os três primeiros números do código de barras correspondem ao banco cuja logomarca aparece no boleto.
Desconfiar se o código de barras estiver com falhas que apresentem espaços excessivos entre as barras ou qualquer outra alteração que impossibilite o reconhecimento pela leitora. Sempre que tiver dúvidas sobre a veracidade de um boleto de cobrança, consulte o fornecedor que o emitiu.
Caso já tenha feito o pagamento, entre em contato com o banco e tente bloquear o valor. Tire cópia do comprovante de pagamento e demais documentos correlatos e procure a Delegacia.

Leia mais em: http://www.gazetavg.com.br/2021/06/10/mototaxista-evitou-que-idosa-fosse-lesada-em-falso-sequestro/

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui