Reservatórios devem ficar prontos entre dois a três anos

Projeção mostra extensão do lago que será construído na Várzea do Zecão, visando o abastecimento de água e também um sistema de lazer e esportes para a população vargengrandense. Fotos: Prefeitura
Em visita ao local, Edson Sbardellini, ex-superintendente do SAE, o vice Celso Ribeiro e o prefeito Amarildo. Fotos: Prefeitura

Embora seja difícil fazer uma previsão correta de quando os dois reservatórios de água junto ao Rio Verde que a prefeitura está construindo em parceria com os proprietários das áreas estarão concluídos, o vice-prefeito Celso Ribeiro (Podemos), arrisca que no máximo em três anos, estas duas importantes obras para o município deverão estar prontas.
O prefeito Amarildo Duzi Moraes (PSDB), entusiasta do projeto, vai incluir no Plano Plurianual deste ano, que estabelece as diretrizes, objetivos e metas do governo municipal, a construção dos dois reservatórios, um nas várzeas que pertenciam à família de José Ribeiro de Andrade (Zecão), localizado praticamente no centro da cidade e o outro nas terras da família de Antônio Carlos de Mello (Salim), que fica do outro lado do asfalto que liga Vargem a Grama.
Em entrevista que concedeu ao jornal na sua sala próxima ao gabinete do prefeito, Celso Ribeiro afirmou que com relação à área do Zecão, já foi acordado com todos os proprietários da área a cessão da terra em contrapartida ao direito deles à lavra da argila e areia existente no local. São três os proprietários envolvidos, Libânio Coracini Filho, Flávio Basilone e família e a família Cortez.
O decreto tornando de utilidade pública as áreas, deverá ser publicado na semana que vem, segundo relatou o vice-prefeito. Sobre o andamento do projeto, Celso explicou que os reservatórios serão construídos com a retirada da argila e areia, deixando a cava que será preenchida pela água. A prefeitura coordenará como ficará a profundidade e também a extensão da área, visando ter a maior capacidade de armazenamento de água e os projetos de lazer que serão realizados.
“Neste momento, alguns proprietários da área do Zecão estão negociando com a pessoa que tem o registro da lavra, no caso a S.B. Extração do empresário José Carlos Buscarioli e após acordarem, será dado início a requisição das licenças para a lavra, sendo elas a municipal, a da Cetesb, do DAEE e Agência Nacional de Mineração (ANM)”, explicou o vice que está coordenando a construção dos dois reservatórios.
Celso disse que as negociações para a obtenção das licenças estão bem adiantadas. “Pelo fato de ser uma obra de interesse público, a prefeitura já vem contactando estes órgãos no sentido de acelerarem o processo”, afirmou.
Ele adiantou que já foi realizada uma audiência online com o responsável pela ANM de São Paulo e o gerente do órgão teria ficado entusiasmado com o projeto, por estar atendendo a área de mineração no tocante à industrialização do município – a argila será usada nas cerâmicas locais – e também na questão social, com a cidade se abastecendo de água e proporcionando lazer para a população.
O vice-prefeito tem esperança que ainda este ano os proprietários da área do Zecão começam a fazer a extração da argila no local, dando início à construção do reservatório. A área destinada ao lago terá em torno de 100 mil metros quadrados, com capacidade de armazenar algo em torno de 700 milhões de litros de água, quase a mesma capacidade da Barragem Eduíno Sbardellini, que seria de 720 milhões de litros. Embora tenha uma área menor, sua profundidade em média seria de 7m, bem acima da Sbardellini que tem pouco mais de um metro.

Esporte e lazer
Além do aspecto mais importante que é ter água reservada para consumo, mais que duplicando a capacidade atual da Barragem Eduíno Sbardellini, segundo explicou Celso Ribeiro, o entorno do local será destinado à prática de esportes e lazer aos vargengrandenses.
“Na represa da Várzea do Zecão, na margem esquerda, de frente para o Jardim São Paulo, será construída uma rua com 9 metros de largura e em ambos os lados, calçadão com 3 metros. Entre a represa e a rua, será deixado uma área de 30 metros de largura para reflorestamento e no centro haverá uma ciclovia com 2 km de extensão”, explicou o vice-prefeito. Outras instalações para esporte e lazer também estão sendo estudadas e com o tempo deverão ser implementadas, segundo Celso.

Verbas
As constantes secas que vem afetando a região e também Vargem Grande do Sul, causam grande impacto no reservatório da Barragem Eduíno Sbardellini, abastecida pelo Rio Verde e tem causado preocupação no poder público municipal.
Construir os dois reservatórios um acima da atual barragem e outro logo abaixo, tornaram-se prioridades na atual gestão do prefeito Amarildo Duzi Moraes conforme o relatado à Gazeta. As duas obras estão sendo coordenadas pelo vice-prefeito Celso Ribeiro, que quando prefeito, foi o responsável pela construção da Barragem Eduíno Sbardellini.
Esta semana, a empresa encarregada de realizar um novo levantamento topográfico das áreas onde serão construídos os dois novos reservatórios, demarcou a área destinada à ocupação da água e também a área de preservação ambiental, as ruas e calçadas de ambos os reservatórios para elaboração e publicação do decreto tornando as duas áreas de utilidade pública.
“Ressaltamos que a colaboração dos proprietários tem sido grande e fundamental para a concretização deste sonho que é de toda a população vargengrandense, pois haverá ganhos em qualidade de vida e o mais importante, teremos água em quantidade para abastecer toda a cidade”, disse Celso.
Na parceria que está sendo feita, a prefeitura concede a licença para exploração da areia e argila pelos proprietários, uma vez que as áreas estariam dentro do perímetro urbano do município e estes cederiam as áreas ao poder público municipal.
Com relação aos investimentos para a construção dos dois reservatórios, Celso afirmou que está dando início ao levantamento dos custos orçamentários e que o prefeito Amarildo além de fazer constar no Plano Plurianual do município, já tem compromissado com alguns deputados a intercessão junto ao governo estadual e federal, como a Fundação Nacional da Saúde (Funasa), do Ministério da Saúde, visando conseguir recursos para a realização das duas obras. Também, segundo Celso, o prefeito Amarildo já determinou a produção de mudas de árvores que serão destinadas ao reflorestamento das duas represas.
Perguntado sobre a previsão do término das obras, Celso Ribeiro afirmou: “É uma obra demorada, mas a prefeitura tem interesse que seja feita no menor tempo possível, tendo em vista a escassez de água que está ocorrendo em toda a nossa região. Embora não podemos prever, trabalhamos com uma expectativa de que entre dois a três anos as duas obras já estejam concluídas”.

Parque Linear
A extensa área de várzea que o Rio Verde construiu ao longo de milhares de anos e que corta a cidade de Vargem Grande do Sul, pode dar lugar à construção do Parque Linear Ecológico do Rio Verde.
Conforme matéria já publicada pelo Gazeta, a criação do Parque Linear Ecológico do Rio Verde foi inserida no Plano Diretor do município que está para ser enviado à Câmara Municipal para análise e aprovação.
Nele, a grande área de várzea que acompanha o Rio Verde praticamente dentro da área urbana da cidade, com início na Barragem Eduíno Sbardellini e terminando perto da Estação de Tratamento de Esgoto, sentido Casa Branca, seria destinada à preservação e criação de lagos e outros projetos sociais, esportivos, culturais e ambientais, visando o futuro de Vargem Grande do Sul.

Reservatório do outro lado do asfalto está mais adiantado

Diretor de Obras, Ricardo Bisco e Celso Ribeiro, durante levantamento topográfico na área da família Mello

Sobre o reservatório que está sendo construído do lado de cima da Rodovia SP-344, próximo à Represa Eduíno Sbardellini, pertencente à família Mello, Celso Ribeiro informou que as ações estariam mais avançadas, com as licenças liberadas e com a empresa responsável pela lavra Barro Novo Extração de Argila de Francisco Paulo Bertoloto já atuando no local.
O projeto contempla uma área de aproximadamente 10 hectares, segundo informou em reportagem da Gazeta no ano passado o diretor de Obras, Ricardo Bisco, com uma área alagada de aproximadamente 8 hectares, a uma profundidade de 5 metros, sendo esperado um volume de aproximadamente 400 milhões de litros, o que aumentaria em mais da metade a capacidade da Represa Eduíno Sbardellini.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui