Pacientes acionam PM e vereador por conta de problemas no PPA

Na noite da terça-feira, dia 24, usuários do Posto de Pronto Atendimento (PPA) Alfeu Rodrigues do Patrocínio acionaram a Polícia Militar e também chamaram o vereador Celso Itaroti (PTB), por conta de queixas a respeito do atendimento de pediatria na unidade de urgência e emergência na-quela noite.
O vereador inclusive postou em suas redes sociais um vídeo sobre o ocorrido. Pelas imagens, é pos-sível ver que o PPA, que funciona no Centro de Saúde Dr. Gabriel Mesquita desde o início das obras no antigo imóvel da unidade de urgência e emergência, está lotado de pacientes, com usuários reclamando da demora do atendimento. Uma mãe afirmou esperar o atendimento de seu filho desde às 13h daquele dia.
A queixa era que o pediatra encerrou o plantou mais cedo e muitas crianças ficaram sem o atendi-mento pelo especialista, mesmo chegando antes do horário dele ir embora. Houve bastante reclama-ção e a PM foi acionada.
A Gazeta de Vargem Grande entrou em contato com a prefeitura questionando sobre o que teria ocorrido. Uma semana antes desse caso no PPA, a diretora de Saúde, Maria Helena Zan, esteve na Câmara Municipal para tirar dúvidas aos vereadores e uma das sugestões feitos foi a de contratação de mais pediatras, especialmente para oferecer o atendimento no plantão noturno do PPA.

Prefeitura
Em resposta à Gazeta, a prefeitura informou que os plantões de pediatria acontecem de segunda a sexta-feira das 7h às 19h no PPA. Apenas um profissional realiza todos os dias os plantões, pois conforme ressaltou a Secretaria de Saúde, há muita dificuldade em encontrar pediatras disponíveis, pois diversas cidades da região estão hoje sem esse profissional. “Lembramos que o plantão pediatra foi colocado no PPA nessa administração, pois nunca existiu”, ressaltou o Executivo.
Segundo a prefeitura, os problemas que estão surgindo são decorrentes de uma série de fatores. “Muitas mães deixaram de procurar as unidades básicas para consulta de rotina e passaram a se dirigir ao Pronto Socorro em busca de receitas, atestados, entre outros, que não se enquadram na categoria de urgência e emergência, fato que sobrecarrega o atendimento do pediatra”, explicou a prefeitura. “Em muitas oportunidades, os responsáveis pelas crianças não respeitam os avisos de aguardar sentados e querem ficar em frente ao consultório e acabam fazendo cobrança direta ao médico”, afirmou.
“O pediatra que normalmente atende no PPA demonstra ser muito prestativo e sensível aos problemas da população, muitas vezes realizando procedimentos que não devem ser feitos em uma Unidade de Urgência e Emergência. O pediatra por ser muito querido e bondoso às vezes acaba atrasando o atendimento para atender determinados pedidos que não se enquadram no atendimento daquela unidade”, continuou o Executivo.
“Em função da insistência de alguns pedidos e do comportamento de uma mãe, se estressou e abandonou o plantão deixando algumas crianças sem atendimento, sendo que na sequência essas crianças foram atendidas pelos dois clínicos que estava atendendo no local”.
Segundo a prefeitura, a diretora de Saúde, Maria Helena Zan, conversou com os enfermeiros responsáveis pelos plantões do PPA, sendo que a triagem será mais rigorosa, priorizando os casos de urgência e emergência, ou seja, os casos que devem ser atendidos naquela unidade.
“O Departamento de Saúde já tomou as medidas cabíveis frente à empresa responsável pela contratação do médico e esperamos que com a colaboração da população possamos manter um atendimento de qualidade”, finalizou a prefeitura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui