“Eterna é a misericórdia do Senhor”

A Paróquia de Santo Antônio esteve em festa nesta semana. Na última segunda-feira, dia 22, a Igreja Matriz de Santo Antônio foi especialmente decorada para uma ocasião de muita celebração: os 25 anos de ordenação do pe. Celso Braz. A comunidade compareceu para festejar numa celebração eucarística presidida pelo Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, O.Cist., o Jubileu de Prata de ordenação presbiteral este momento tão especial para o padre Celso.
A santa missa contou com a participação de grande parte do clero, representado pelo administrador diocesano, Pe. João Cândido da Silva Neto, o representante dos presbíteros, Pe. José Ricardo Costa, o coordenador de pastoral, Pe. Luís Fernando da Silva, e tantos outros, além de autoridades locais e regionais, amigos, familiares e também ex-paroquianos do sacerdote. O prefeito Amarildo Duzi Moraes (PSDB), assim como o presidente da Câmara, Paulo César da Costa (PSB) e outros membros do Legislativo também estiveram presentes.
Na homilia, Dom Orani citou o modo como conheceu padre Celso Braz, durante o período que atuava na zona rural dos municípios de São José do Rio Pardo, Divinolândia e região, onde conheceu a família do sacerdote, e também onde teve início a vocação de Celso Braz.
“Tive o prazer de ordená-lo há 25 anos, minha primeira ordenação enquanto bispo, na época com a licença de Dom Dadeus bispo desta diocese. Por isso, é muito gratificante poder agradecer a Deus por essa graça e, vê-lo hoje um padre realizado e feliz na sua vida e muito trabalhador. E que, procura servir dentro daquilo que é sua realidade e especificidade de sacerdote, hoje em Vargem Grande do Sul”, disse Dom Orani.

Padre Celso Falou sobre o momento especial

“No dia 22, na última segunda-feira, tivemos a graça de ter o cardeal do Rio de Janeiro D. Orani, que chegou por volta das 15h30, foi acolhido na Casa Paroquial, onde fizemos um café. Tivemos uma boa conversa, recordamos desde o tempo que ele foi me encaminhando para o discernimento vocacional. Ele foi o meu primeiro diretor espiritual, meu confessor e também meu orientador vocacional”, contou padre Celso Braz à Gazeta.
“Recordamos muitas coisas, missas que eu ajudava ele como coroinha, ele ia na roça onde eu morava na época, na Fazenda Caracol. Até demos uma risada gostada, porque essa fazenda fica dentro de um buraco, você chega no alto e desce fazendo curva. Ele dizia que naquele tempo ele fazia com muita alegria, mas hoje não tem como”, recordou.
“Fizemos um jantar com ele e com alguns padres da nossa diocese às 18h. Depois, às 19h20 fomos até a porta da Igreja, ele foi vestido como cardeal, onde aconteceu ali: ele beijou a cruz e depois aspergiu algumas pessoas que estavam ao nosso redor e, através do canto como um bom pastor, ele foi entrando dentro da igreja comigo ao lado e o cerimoniário do outro lado, e o povo foi acolhendo ele como uma salva de palmas com uma música muito bonita”, relatou o pároco da Paróquia de Santo Antônio.
“Chegamos diante do altar, fomos à capela do Santíssimo, onde ficamos ajoelhados em adoração a Jesus, com o objetivo de agradecer a Deus pelo dom da minha vida, da minha vocação, para poder celebrar os 25 anos, onde cheguei aqui com muita alegria, desafios, mas sobretudo contando com a misericórdia divina”, disse.
“Seguimos para a sacristia, trocamos de roupa, colocamos as casulas e fomos à igreja, onde começou a missa. Após o comentário, entrou a cruz, os seminaristas, os padres que vieram celebrar comigo, e toda a igreja estava lotada. Graças a Deus, muita gente aqui.”
“Também tiveram algumas paróquias de outras cidades, como Santa Cruz das Palmeiras, onde trabalhei como vigário paroquial por 13 anos, São José do Rio Pardo, a paróquia de Nossa Senhora do Rosário, onde fiquei nove anos como pároco, também a paróquia Nossa Senhora do Rosário, de São João da Boa Vista, onde fiquei dois anos e fui transferido para a paróquia de Santo Antônio”, recordou.
Ele se mostrou emocionado com a missa celebrada. “Foi uma missa bonita, solene, D. Orani falou muito bonito na homilia, todos adoraram ele, a maioria não o conhecia. Estiveram presentes as autoridades, o prefeito de Rio Pardo, de Vargem, os vereadores, o pessoal da Câmara”, lembrou.
“Seguiu uma celebração muito bonita e solene e, após ela, eu fiquei na igreja para receber o cumprimento da comunidade, onde as pessoas vinham, tiravam fotos, parabenizavam e juntos celebrando essa alegria”, disse padre Celso. Depois, a comunidade ofereceu uma confraternização no Salão da Paróquia, onde foi servido salgado e bolo. “Com a graça de Deus, todos adoraram e foi tão bonito que ninguém queria ir embora, todos sentados e conversando. Tivemos elogios da missa e também da nossa confraternização”, elogiou. “A todo o nosso povo de Vargem Grande do Sul, essa cidade bonita e maravilhosa, quero deixar uma bênção muito especial. Que Deus pague a todos”, finalizou o pároco.

Fotos: Pascom Diocesana (Edu Cunha), com colaboração de Dom Paulo Celso Demartini, O.Cist.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui