Vargengrandense relata dia a dia na Itália, país que já registra mais de 2 mil mortes pelo coronavírus

0
2415
Cidadão italiano durante quarentena Imagem: REUTERS/Yara Nardi

A Itália é uma dos países da Europa que mais tem sofrido com a expansão da Covid-19, doença provocada pelo coronavírus. Desde que a epidemia começou, milhares de pessoas contraíram a doença e até a terça-feira, dia 17, o país havia registrado 2.503 mortes. Ainda são tratados 26 mil pacientes com a doença. Desde o início da crise na Itália, o coronavírus atingiu 31 mil pessoas, sendo 26 mil pacientes, 2.503 mortos, 2.941 curados e 2.060 pacientes em terapia intensiva.

A Gazeta de Vargem Grande conversou com o jovem Lucas Petrillo, vargengrandense que mora na Itália há algum tempo. Ele enviou o seguinte relato à redação:

 

Lucas contou à Gazeta como está sendo enfrentar a epidemia na Itália. Foto: Arquivo Pessoal

“As coisas por aqui não andam nada bem. Estamos preocupados com essa situação, como muitas pessoas no Brasil também devem estar. O mais importante nessa hora é ter responsabilidade e se privar do meio social, pois o COVID 19 não é uma simples gripe. No início tudo parecia banal aqui, mais no decorrer das últimas semanas o número de contágio subiram de forma exponencial, os hospitais e terapias intensivas estão abarrotados. Devido a situação, alguns hospitais montaram tendas na área externa para dar suporte à todas as pessoas atingidas”.
“A situação é séria, é algo similar a um filme de terror. O boletim de hoje anunciado pela proteção civil aponta 31.506 casos, 2.503 mortes. Infelizmente, hoje a Itália contabiliza 345 mortes ao dia. A única estratégia que o governo encontrou para barrar a disseminação do vírus foi colocar o país todo de quarentena, tendo que manter fechado escolas, universidades, cinemas, museus, teatros, bares e comércios, exceto supermercados e farmácias. Sair de casa somente o necessário, e munido de declaração que justifique sua saída, neste caso, para trabalho ou compras de itens de necessidade básica”.
“O cidadão que não cumprir as medidas impostas pelo governo pode sofrer sanções de 3 meses a 12 meses de prisão. Inicialmente muitos reclamaram, pois o fechamento do comércio afeta demais a economia de um país, mais aos poucos as pessoas independentemente de partido político entenderam que essa é a melhor forma de combater o vírus. Espero que o Brasil neste momento faça diferente, que aprenda com os países que estão sofrendo e que tome medidas eficientes logo de início. O Brasil tem grande possibilidade de reverter essa situação. Então, fica uma pequena frase, ‘permanecemos todos em casa hoje, para que possamos nos reencontrar amanhã saudáveis’. Se cuidem”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor insira seu nome aqui